Você está aqui: Página Inicial / Sobre a Câmara / Notícias / Merendeiras pedem revisão de carga horária e fim dos desvios de função

Merendeiras pedem revisão de carga horária e fim dos desvios de função

Publicado em 25/02/2019.
Câmara vai convidar secretários de Educação e Administração para debater situação da categoria
Merendeiras pedem revisão de carga horária e fim dos desvios de função

Foto: Assessoria de Imprensa Vereador Marcos Ferreira

Representantes do Sindicato dos Municipários de Pelotas (SIMP) e merendeiras das escolas da rede municipal estiveram na Câmara de Vereadores na quinta-feira para pedir apoio à pauta de reivindicações da categoria que pede redução da carga horária de oito para seis horas diárias e o fim dos desvios de função. Na próxima semana os secretários de Educação, Artur Corrêa e de Administração, Abel Dourado devem ser convidados a comparecer na Câmara para discutir o assunto com a categoria.

“Este é um debate que precisa ser feito, pois as merendeiras são essenciais para o funcionamento das escolas municipais e estão sendo prejudicadas, por isso iremos mediar essa discussão e tentar construir com a Prefeitura uma alternativa capaz de valorizar essas trabalhadoras”, diz o vereador Marcos Ferreira, o Marcola (PT) que tem sido o interlocutor da categoria na Câmara e junto à Prefeitura.

O vice-presidente do SIMP, Tiago Domingues explica que as merendeiras sempre cumpriram jornada de 30 horas semanais – apesar dos concursos preverem 40 horas de trabalho por semana – como forma de compensar os baixos salários e possibilitar que as trabalhadoras exercessem outra atividade no turno inverso. Em média o salário líquido da categoria gira em torno de R$ 500,00 por mês. Porém durante a administração do prefeito Eduardo Leite (PSDB) passaram a ter que cumprir às 40 horas semanais. Desde então o assunto tem sido incluído nas pautas de negociação com a Prefeitura sem ter uma solução.

Para o vereador Marcus Cunha (PDT) a situação das merendeiras precisa de atenção urgente por parte da administração municipal. “Havia um compromisso da prefeita de modificar a carga horária para todos os servidores mas isso não foi cumprido e agora precisa ser reparado”, declara.

DENÚNCIAS – Os desvios de função são outro problema apontado pelas merendeiras para o qual a categoria quer solução rápida. Durante a reunião, várias profissionais relataram fazer faxina nas cozinhas e em outras dependências das escolas por ordem dos diretores, quando deveriam ser encarregadas apenas de preparar as refeições dos estudantes e cuidar da higienização dos utensílios de cozinha. Outras contaram ter que desempenhar tarefas particulares para diretoras, como preparar refeições ou limpar suas louças. Entre os relatos de desvios de função surgiram também denúncias de assédio moral que serão averiguados pela direção do sindicado.

Participaram da reunião os vereadores Marcos Ferreira, o Marcola (PT), Ivan Duarte (PT), Antonio Peres (PSB), Reinaldo Elias (PTB), Marcus Cunha (PDT), Fernanda Miranda (PSOL) e Éder Blank (PDT).

 

Texto: Assessoria de Imprensa Vereador Marcos Cunha PT

Redes sociais

Facebook  Twitter  Youtube  Esta imagem é referenciada nos conteúdos do portal.  Esta imagem é referenciada nos conteúdos do portal.

TV Câmara

Atendimento ao Cidadão

Esta imagem é referenciada nos conteúdos do portal.

Leis e Processo Legislativo

Licitacon